Joomla TemplatesBest Web HostingBest Joomla Hosting

Uma reflexão sobre o amor - Coriolano Garcia

Sou fruto do amor.

Abro os olhos e sinto amor por todos os lados.

Vivi o amor materno.

Senti o amor paterno.

Experimentei o amor fraternal em suas várias formas.

Vibrei de paixão!

Amei o amor de Eros.

Viajei no amor da alma.

Mergulhei profundamente no amor romântico de Tristão.

Me regozijei do amor em ágape.

Tentei sobreviver ao amor pragma.

Tentei construir, enfim, o amor de várias formas, com várias matérias-primas.

Nada me satisfez.

Posto que o amor não sendo objeto em si nem tendo objeto ideal,

é ele a projeção da alma de cada ser,

que sendo cada qual um universo único,

não encontra, via de regra, compatibilidade com outros universos.

Mas se assim fosse, porque esse sentimento sempre presente no homem

de buscar de forma quase incessante e frenética esse objeto do desejo?

Para muitos o maior dos desejos:

amar e ser amado.

Se é um sentimento atávico,

alguma razão há de ter para essa busca, essa cruzada eterna

e a resposta vem dos deuses gregos

que partiram o ser andrógino ao meio e os lançaram aleatoriamente na senda das vidas

e cada alma dilacerada de sua contraparte

nasce e renasce em busca constante de sua religação, religião, amor...

Do conforto de se tornar um com o outro.

Do conforto de se sentir inteiro e não apenas parte de uma contraparte perdida.

Seria essa a explicação por tanto empenho em algo tão remoto?

Seja qual for a lógica ou emoção,

o fato é que continuamos buscando

e buscamos nessa projeção de nossa alma no outro

algo que quase nunca se encaixa.

E surge nova questão:

nossa alma não se encaixa no ser amado

porque ele não é nossa contraparte verdadeira, original, partida pelos deuses gregos?

Porque está tanto tempo separada e vivenciou tantas experiências que já não reconhece

o prazer e a paz de se compor?

Porque cada ser é um universo em si desde sua origem e não existe essa ideia de contraparte?

Qual seria a verdadeira resposta?

De minha parte, com ou sem contraparte,

sinto falta de uma companheira de todas as horas;

sinto falta de uma boa prosa;

sinto falta da presença;

sinto falta da compreensão;

sinto falta do apoio;

sinto falta da concordância

e da discordância suave;

sinto falta da presença de Eros e Afrodite;

sinto falta de carinho;

sinto falta de colo;

sinto falta de AMOR!

 

Coriolano Garcia
12/10/2012

Poema de Florestam Brasil

 

Stela adormecida

16/08/2012


Quisera eu que minha Stela fosse a Bela

Que num beijo, um dia, despertasse

E todo reino voltasse a florir, pudesse

E a paixão tornasse a ser quimera

 

Que eu relesse os meus versos proibidos

E despertasse num soneto incandescente

A obsessão que um dia foi tão inclemente

De ter teus lábios e o teu corpo possuído

 

Quisera eu que minha Stela fosse a Bela

E acordasse desse sono assustador

Que agonia o meu peito pela dor

Não mais o sonho de um beijo sem cautela

 

Meu peito chora agora em vão a nova perda

Das loucuras de um sonho indecente

Já não suporto solidão em meio a gente

Dizer te amo virou então palavra erma

 

Porque é amor que só existe na ventura

De um arquétipo que não teve forma

E morreu sufocado de emoção morna

Pois cresceu em solo seco, rocha dura

 

É o fruto que foi colhido após o tempo

E então dorme um sono morrediço

Pois de belo, seu destino foi cediço

Que apaga o desejo sem alento

 

O meu peito chora ao ver se desfazer

Toda paixão sem controle e loucura

De mais um beijo que já não tem doçura

Que embrutece esse suave então prazer

 

Quisera eu que minha Stela fosse a Bela

E que esse sono fosse apenas ilusão

Que com um toque desse vida ao coração

Que um dia navegou em barco a vela

Solidariedade tem nome: Casa do Atleta de Barra do Garças-MT

Casa do Atleta I 800x580 640x464

Como um dos três eixos que escolhi para atuar em minha vida em sociedade, a solidariedade é aquele que tem me trazido maiores surpresas.

Levando avante a idéia do Banco do Sucesso, neste site já exposta, encontrei um abnegado professor de Educação Física que a duras penas desenvolve desde 2003 um projeto chamado Vivendo o Atletismo.

Leia mais...

Compartilhe

FacebookMySpaceTwitterDiggGoogle BookmarksLinkedin

Parceiros

palestras

Visitantes